17 Abril, 2014

Carlitos way

Estamos sempre a aprender. Fui ao Museu de Marinha*, mais exactamente ao Pavilhão das Galeotas onde pelos vistos ainda se pode desenhar, assistir, que remédio, a um ensaio da banda da Armada. Desenhei esta bateira de mar ou saveiro, os entendidos não se entendem mas que é essencialmente uma embarcação com o fundo chato. Com um design arrojado, como se diria hoje, tem uma finalidade, claro, aquela proa tão alta – ultrapassar a rebentação. Não se afasta muito da costa, o suficiente para lançar redes que são depois arrastadas de volta por tractores, actualmente, mas dantes com bois como ainda vi, puto, na praia de Pedrógão. Xávega ou arte de xávega ou ainda artes ou também artes de xávega, caramba, são os diversos nomes desta coisa que está a desaparecer. Tal qual o anacrónico personagem do filme homónimo, este Carlitos, e outros que ainda mexem, vão infelizmente acabar todos como peças de museu.



 * Ao contrário daquele senhor da Armada que está ali para dar escala ao desenho, o museu é “de Marinha”, e não “da Marinha”, como aparece aí em baixo


  

31 Março, 2014

Hospital

Aqui está um desenho que eu dispensava ter feito.


18 Março, 2014

Reflexos

Passam despercebidos mas estão em quase todo o lado. Imaginem o que seria a visão dos espaços urbanos sem a sua presença. O meu amigo João Catarino vai torná-los protagonistas do seu workshop em Paraty.






13 Março, 2014

27 Fevereiro, 2014

Viajar no quotidiano. Curso de Diários Gráficos. Museu da Cidade. Almada

No belo espaço do Museu da Cidade, em Almada, vou tentar pôr toda a gente a viajar no seu quotidiano.